segunda-feira, 12 de novembro de 2012

32º Domingo do Tempo Comum - Santuário Nacional


A primeira leitura do primeiro livro dos Reis  e o texto do evangelho  que acabamos de escutar nos apresentam  duas pessoas que simbolizam, na bíblia, os desamparados: a viúva de Sarepta que socorreu o profeta Elias e a pobre viúva no templo, que deu duas moedas de esmolas e que não valiam quase nada.

De um lado, essas duas viúvas simbolizam os desamparados. De outro lado, são para nós todos, exemplos de generosidade, confiança na providência divina, solidariedade e gratuidade.

A viúva de Sarepta que tinha apenas um pouco de farinha e de azeite para preparar sua última refeição, para si e para seu filho, e depois esperar a morte, ofereceu de sua pobreza ao profeta Elias, suas últimas provisões.

“A farinha da vasilha não acabou nem diminuiu o óleo da jarra, conforme o Senhor tinha dito por intermédio de Elias”. Tanto Elias quanto a viúva, ambos confiados em Deus e generosos, tiveram comida por muito tempo.

No evangelho de hoje, Marcos mostra Jesus sentado no templo diante do cofre de esmolas. Ele observa como a multidão depositava suas moedas no cofre. Entre os que vem depositar sua oferta, Jesus presta atenção a uma mulher, “uma pobre viúva”, diz Marcos, que deu apenas duas moedas. Esta viúva, como todas as viúvas em Israel, que viviam à margem da sociedade, eram pobres, mas o seu gesto nos revela algo muito importante: suas mãos não guardavam o pouco que possui, mas  o que depositou no cofre, “era tudo aquilo que possuía para viver.” 

Perante Deus, as coisas não valem pela sua grandeza física, pelo seu valor material, mas pelo amor com que as fazemos e esta mulher colocou na sua oferta todo o amor porque deu aquilo que lhe faria tanta falta. Como diz Santa Terezinha do Menino Jesus: “Amar é dar tudo e mais ainda, é dar-se a si mesmo.”

Jesus obediente ao seu Pai, graças ao Espírito Santo do qual estava repleto, foi capaz de uma generosidade total. Deixou-se penetrar pelo Espírito Santo em toda a sua existência, inclusive, na sua morte, a fim de oferecer-se Ele mesmo para a salvação do mundo. 

Maria é também modelo para nós de entrega, disponibilidade e solidariedade. Ela repleta do Espírito Santo, fez de sua vida uma permanente oferenda a Deus: “Eis a serva do Senhor, faça-se conforme tua palavra” 

Peçamos ao Espírito Santo que faça de nossa vida uma permanente oferenda para a glória de Deus. A nossa vida, com tudo aquilo que ela encerra: trabalho, descanso, preocupações, alegrias, deve ser transformar numa liturgia, isto é, numa oferenda diária agradável a Deus, fazendo de nossa vida em união com Cristo, uma continuação da celebração da missa.  

Um comentário:

  1. Gostaria de registrar minha indignação em relação ao ocorrido na Santa Missa das 16:00 hs de hoje, 15 de novembro de 2012.
    Desloquei-me de São Paulo a Aparecida para manifestar minha fé e orar junto à Padroeira do meu País. Assisti à Missa inteira e para meu espanto, o Padre celebrante usou o espaço reservado ao sermão para MANIFESTAR-SE POLITICAMENTE SOBRE OS JULGAMENTOS EM ANDAMENTO NO SUPREMO TRIBUNAL. Disse textualmente que os Ministros rasgaram a Constituição Federal e CONDENARAM SEM PROVAS, apenas para satisfazer a mídia.
    Como Católico não admito esse tipo de postura de uma padre representante de Deus, paramentado e falando em nome da Santa Igreja em plena Missa.
    Não fui até Aparecida para participar de um comício político, mas sim para visitar a Casa do Pai e orar.
    O ocorrido é inadmissível. Se o Padre cujo nome desconheço, tem militância política, ele que a pratique sem a Batina e longe da Santa Igreja.
    Isso não pode se repetir em hipótese alguma.
    Porque este sacerdote não usou seu tempo ao microfone diante de milhares para solicitar orações pelos vários policiais mortos nos últimos dias?
    É um absurdo!

    ResponderExcluir